Mudaram as Estações

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Logo de cara já me questiono, até porque posso estar fugindo do propósito desse blog. Aqui, segundo consta na minha primeira postagem, eu diria coisas que geralmente me esqueceria com facilidade, coisas bizarras que eu gostaria de guardar e dividir com vocês.

Nas últimas semanas, você, leitor, também deve ter percebido que só ando escrevendo sobre meu romance. Só que de certa forma, ao que me lembre, nunca esqueci um romance, porque esse eu estaria registrando aqui? Seria hora de mudar o nome deste blog?

Ao título

Como o leitor reagiria ao saber que seus beijos não são mais os mesmos? Bom, eu ouvi isso hoje meu querido amigo. Resolvi refletir, não dizer nada no momento, apenas ouvir. Confesso que depois dessa frase, comecei a tentar encontrar momentos propícios para aquele "beijo de cinema", todos sem sucesso.

O fato que me intriga é que, sim, também confesso, realmente os meus beijos mudaram. Podem não bater com a data que ela diz, mas eu também senti isso. Segundo ela, eu possa ter mudado por ter me desapegado dela, ou então por estar com outra pessoa - coisas completamente sem fundamento.

Passando alguns minutos, e depois de uma boa conversa com ela ainda antes dela me dizer isso, pude perceber que talvez meus beijos tenham mudado por uma teoria que eu fiz há algum tempo e que vem dando certo.

"Quando alguém diz que me ama, eu costumo não acreditar todas as vezes ditas. Acredito quando realmente meu coração acha necessário. Desde modo, além de evitar a 'rotina' ainda saberei que tem dias que alguém me ama mais."

Seria a hora deu voltar a ser um Don Juan? Seria a hora deu voltar a fazer minha atitudes impensadas e deixar que o tempo nos levem? Será que realmente estou desapegado a ela e não percebi? - não, essa resposta eu sei que é não!

Tentarei deixar o estilo "romântico" adotado nesses últimos tempos, que foi mais ou menos próximo a data que ela me falou, e procurarei ser mais eu. Agir como ela também agi, sem pensar. Deixarei o coração falar mais alto. Como disse no último texto, agora já estou envolvido, se pudesse manteria isso até o fim.

Você já é especial!

sábado, 10 de outubro de 2009

Sinto que o fogo está se apagando, que a chama e os desejos já não se afloram como antes. Por momentos, já confessados, cheguei a pensar no fim.

Os dias foram passando, algumas discussões se armando, e eu percebi que não era o fogo que estava se apagando, sim nós dois que nos envolvemos de maneira mais frenética e amorosa.

Esquecer as calunias ditas antes de nos encontrar corretamente. Esquecer os sentimentos, que hoje são lembranças, algumas boas outras ruins. Esquecer que um dia brigamos, que um dia perdemos a oportunidade de estar como hoje.

Não sei se é o momento, se é a hora, se a recíproca é verdadeira. Espero que seja, pois o que direi aqui é do mais profundo sentimento obscuro que há em mim. Você já é especial para mim, já não sei viver sem pensar, ao menos 1 minuto de 3, em você.

Determinação

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Segunda-Feira, 5 de Outubro, por volta das 15:30 horas. Tinha me decidido à fazer um leve teste com ela, talvez uma briga para apimentar a relação - que por acaso deu certo. Mas a frase é verdadeira, "o feitiço voltou contra o feiticeiro".

Uma simples brincadeira, um comentário maldito, quebrou toda harmonia construída até agora - ao menos pareceu. Arrependo-me brutalmente do simples comentário "sábado vou sair!", deveria ter calado essa "boca de trapo".

Se o começo - mesmo com mais um dos meus testes em jogo - foi super delicioso o momento, o fim foi o mais catastrófico possível. Mexer no passado? Voltar no tempo? Não tem como. Mudaria? Talvez, até porque não fui só eu que tomei atitude errada.

Se largar uma pessoa, que a parceira diz "apaixonada" e não mente perante a isso, para ficar com outros na porta de qualquer lugar é uma atitude normal, por favor, leitor, me avise. Não sei se esse texto é um pedido de desculpas, de tentar concertar o que fizemos errados, ou se... só sei que SIM, me envolvi, acredite ou não.

Obsessão

domingo, 4 de outubro de 2009

Sempre fui conhecido e admirado por textos com tons jornalísticos, e devido a fatos recentes deixei esse meu princípio, que já me rendeu bons frutos, de lado. No entanto, vou começar a conta-los, mesmo sendo impróprios para esse estilo, para não deixar minha "raiz" de lado.

Acalme-se você que pensa que os sentimentos serão esquecidos, podem não ser descritos de forma emocional, mas serão sentidos no contar dos relatos.

Foram dois anos, encantado, paralisado, com um mundo girando ao meu redor, e eu não ligando para o mesmo. Juras de amor verdadeiro foram feitas, talvez uma faceta que o destino me pregou, não sei.

Depois desses longos dois anos, a jornada apertou. Aquela que eu dizia meu amor voltou, e outra apareceu em meu caminho. Se fosse você, caro leitor, optaria pela razão ou pela emoção? Eu, como sempre, optei pela emoção do momento e me deixar levar para uma nova aventura.

Sinto-me em uma chama, onde o fogo representa o perigo - o erro - mas a forma mais inteligente e gostosa de tocar essa parte da escolha. Se fiz o errado, quero que se dane os conceitos - tanto os novos quanto os velhos - devo sim aproveitar o máximo que puder, pois essa "brincadeira" pode não ir tão longe.